Pedaços de Mim

 

Pedaços de Vida, Paridos, Sentidos, Vividos



Textos


Observando este dia que nasceu radiante,
Embora não estando ao seu lado
Meu coração, voou para perto de você
Como faz sempre que está desolado

Lembrei que este mesmo sol,
que hoje brilha e aquece meu ser
Me inundando com seu calor,
Um dia brilhou também em seu viver

Mãe amada, meus pensamentos se voltaram
Para quando eu podia desenhar teus traços
Olhar em seus olhos, ouvir o som da sua voz,
Bem próxima me aconchegando eu seus braços

Como o tempo muda, estando perto
Ou até mesmo quando nos distanciamos
E as coisas que acontecem em nossa vida
Até mesmo nos tirar as pessoas que amamos.

Passamos a viver de maneira diferente
Que nada se assemelha ao nosso começo
Mud anças que temos que nos acostumar 
São coisas da vida que agora reconheço 

Sabe esta mensagem, é para deixar registrado,
que meu coração até hoje mãe bate forte
de amor, de falta e de saudades de ti.
Que não sufoca e não acalma nem com a morte

Sei que Deus te levou prá junto d'Ele
E Ele está sempre, a cada sol, me protegendo  
E ao nascer em cada dia da minha vida.
Para que eu seja firme mesmo sofrendo

Amanheci pensando que eu devia seguir
Nos planos e ideais que criaste para mim
No quanto voce ficaria orgulhosa ao ver
Que eu luto por eles e lutarei até o fim

Eu quero que todas as mães que existem
Saibam que você doou-me cada momento
O quanto foi maravilhosamente carinhosa
E que perder voce foi meu pior tormento

Sabe o que lembrei hoje minha mãe
De quando em oração a Deus eu pedia 
Que as mães pudessem viver para sempre
Fui injusta por não saber o que sentia

Tua vida foi breve mãe, tão breve
Tu não tiveste tempo de me ver crescer
Porisso mãe, eu fiz tudo para que
Se voce estivesse aqui, pudesse orgulho ter

Parece que foi ontem que tu me deu teu colo
Tu nem sabe o quanto não me viu chorar
Perdeste a primeira lágrima de amor acabado
A primeira alegre dor ao meu filho chegar

Apesar de ter passado tanto tempo mãe
Ainda sinto teu riso gostoso, teu manso olhar
Como tu eras linda aos trinta e nove anos
Como dói neste dia não poder te abraçar

Tu nunca deixou eu saber que sofrias
Nem que doente e me cuidava a gemer
Poupou-me da dor que em teu corpo sentia
E que te levou de mim para não mais te ver

Eu sinto  muitas saudades de ti, Mãe
JANINHAMELL
Enviado por JANINHAMELL em 30/04/2009
Alterado em 13/05/2018


Comentários


 
Site do Escritor criado por Recanto das Letras
<script src='http://devocionais.amoremcristo.com/tools/devocionais_embed.asp' charset='utf-8'></script>